domingo, 22 de fevereiro de 2015

Porque Somos Episcopais.

Prefação

As Sagradas Escrituras e os antigos escritores cristãos expressam com clareza que, desde os tempos do Novo Testamento, têm existido diversos ministérios na Igreja. A Igreja Cristã tem sido caracterizada por apresentar três ordens distintas de ministros ordenados: a Ordem do Episcopado, a Ordem do Presbiterado e a Ordem do Diaconato.

Os Bispos continuam a obra apostólica de dirigir, supervisionar e unir a Igreja. Os Presbíteros e os Diáconos, junto com os Bispos, participam do governo da Igreja, em seu trabalho missionário e pastoral e na pregação da Palavra de Deus. Aos Presbíteros cabe a função de ministrar os Santos Sacramentos e liderar as congregações locais em seu crescimento espiritual e na realização da Missão. Aos Diáconos cabem: a função litúrgica de assistir aos Bispos e Presbíteros na ministração dos Sacramentos; a função de liderar o povo nas orações e na leitura da Palavra de Deus; e a função de buscar compreender e interpretar os anseios e necessidades do povo em seu contexto, levando essas necessidades ao Bispo e à Igreja, e liderando a Igreja na resposta a essas necessidades. É responsabilidade especial dos Diáconos ministrarem, em nome de Cristo, às pessoas pobres, excluídas, enfermas, às que sofrem e às abandonadas.

As pessoas escolhidas e reconhecidas pela Igreja como chamadas por Deus ao Ministério Ordenado são admitidas a estas Sagradas Ordens por meio da oração solene e da imposição de mãos do Bispo.

Tem sido e são intenção e propósito desta Igreja manter e continuar essas ordens e, para isso, os Ritos da Ordenação e Sagração é estabelecido. A nenhuma pessoa é permitido o exercício das funções de Bispo, Presbítero e Diácono nesta Igreja a menos que assim tenha sido ordenado com a imposição das mãos de Bispos.

É também reconhecido e afirmado que estes ministérios não são propriedades exclusivas deste ramo protestante da Igreja de Cristo, mas Dom de Deus para o crescimento do Seu povo e a proclamação do Seu Evangelho por todos os lugares.
Conseqüentemente, o modo de ordenar nesta Igreja há de ser, como tem sido reconhecido por todo o povo cristão como adequado para conferir as Sagradas Ordens do Episcopado, Presbiterado e Diaconato.

E quem são os Bispos? Os Bispos não são apenas aqueles que dizem Ter uma sucessão ininterruptamente apostólica, mas ao contrário disso, são os Bispos, Pastores Presidentes ou Pastores Regionais que fazem o trabalho de supervisores de suas Igrejas e que tem a responsabilidade de zelo Pastoral pelos demais membros da Igreja ou da denominação. Escrevo isto e grifo porque tenho visto e sentido imposições e pressões de quem nem tem um chamado especial para tais ministérios bíblico, mas por terem um pedaço de papel bordado sentem-se em um patamar superior e querem se intitular sucessores de fulano ou beltrano.

Existem qualificações Bíblicas para estes três ordens que hoje em dia nem de perto são cumpridas, mas mesmo assim se fazem uma questão tremenda de se Ter tais ordens, mas que se não aparecerem com o devido perfil bíblico para cada uma delas de nada adianta. Na verdade cada Bispo, Presbítero, Missionário,... Deve fazer uma análise e ver se está procedendo de acordo com as recomendações bíblicas para a ordem ocupada.

Temos Bispos em todas as Igrejas? Sim! Claro que temos. Não importa se se usam ou não este título nobre ou não na integra. Existem denominações em que eles aparecem com Pastores Presidentes, em outras, Bispo mesmo, em outras, Arcebispos, em outras, anciões, mas não devemos caracterizar tais ordens pelos títulos tão somente, mas sobre tudo pelos resultados e frutos de trabalhos em suas denominações, comunidades, capelas, e por ai vai. Empenham-se na assistência aos domésticos da fé nas áreas sociais e em auxiliar os seus pastores e pastores de seus pastores são bênçãos, mas se não vivem para servir, então não servem para as ordens sacramentais, nem tão pouco para as funções de Obreirato e Ministério de qualquer Igreja que seja, quanto mais para liderarem.

Minha preocupação particular é ser servo dos servos de Deus e a estes tributar minha ajuda e colaboração para o desempenho de vossos ofícios onde quer que se sintam vocacionados para exercer porque o dono da Igreja é Jesus Cristo, e nós apenas seus sacerdotes; a bem da verdade Ele é o Pastor por excelência e nós seus representantes.

Mas e quanto a tantas funções de ofícios sacerdotais estabelecidas hoje? Vai ai minha interpretação: Biblicamente existem estas três ordens, mas existem também funções diversas espalhadas na bíblia que alguém decidiu implantar e que hoje complementam o quadro administrativo eclesiástico da Igreja, mas que na verdade nunca fugiram, e nem podem, destas três Ordens. Pastor Presidente é Bispo de fato e de direito, porque é pai no sentido de gerar outros sacerdotes ordenando-os para o ofício sacerdotal em suas Igrejas, congregações e missões. Pastores auxiliares e Presbíteros são todos presbíteros porque geram filhos e ministram os sacramentos e ofícios sacerdotais, lembrando que as consagrações ao meu ver devem ser feitas pelos presidentes de Ministério ou Igrejas e as funções de Missionários e Evangelista tem como objetivo fazer com que o evangelho alcance através da Igreja local outras regiões, ou que venha se expandir na região de atuação da própria Igreja; E o diaconato da Igreja da mesma forma se expande com os serviços prestados pelos próprios diáconos ordenados, além dos obreiros, auxiliares de trabalho, colaboradores e outras nomenclaturas contemporâneas.

Vejamos o Bispo Timóteo: Natural de Listra, filho de pai grego e de mãe judia, Eunice (At 16,1), Timóteo tornou-se companheiro de Paulo, desde que este por ali passou, no decorrer da segunda viagem missionária (At 15,35-18,22). Aparece associado a ele no endereço de várias Cartas (II Co, Cl, 1 e 2 Ts, Fl.), está ao seu lado em Atenas (At 17,14-15), em Corinto (At 18,5), em Éfeso (At 19,22) e é um dos portadores da coleta para Jerusalém (At 20,4). Foi encarregado por Paulo de várias missões difíceis, para resolver situações delicadas (Rm 16,21; 1 Co 4,17; 16,10-11; Fl 2,19-24; 1 Ts 3,2-6). Modelo Bíblico para nossos dias.

Mas como já se era de se esperar que acontecessem, muitos tem se preocupado em usar estas funções para comando, e por isso hoje temos tantos obreiros péssimos em várias funções de serviço da Igreja e como resultado disso muitos líderes que estão a cada dia impondo mais condições humanas e critérios igualmente humanos para se estabelecer ministros de Deus. Por isso tantos concílios, reformas, reuniões convencionais e emendas estatutárias, mas critérios bíblicos ás vezes é estágio descartado ou adaptado.

I Tm 3:1
Fiel é esta palavra: Se alguém aspira ao episcopado, excelente obra deseja.
I Tm 3:2
É necessário, pois, que o bispo seja irrepreensível, marido de uma só mulher, temperante, sóbrio, ordeiro, hospitaleiro, apto para ensinar;
I Tm 3:3
Não dado ao vinho, não espancador, mas moderado, inimigo de contendas, não ganancioso;
I Tm 3:4
Que governe bem a sua própria casa, tendo seus filhos em sujeição, com todo o respeito
I Tm 3:5
(pois, se alguém não sabe governar a sua própria casa, como cuidará da igreja de Deus?);
I Tm 3:6
Não neófito, para que não se ensoberbeça e venha a cair na condenação do Diabo.
I Tm 3:7
Também é necessário que tenha bom testemunho dos que estão de fora, para que não caia em opróbrio, e no laço do Diabo.
I Tm 3:8
Da mesma forma os diáconos sejam sérios, não de língua dobre, não dados a muito vinho, não cobiçosos de torpe ganância,
I Tm 3:9
Guardando o mistério da fé numa consciência pura.
I Tm 3:10
E também estes sejam primeiro provados, depois exercitem o diaconato, se forem irrepreensíveis.
I Tm 3:11
Da mesma sorte as mulheres sejam sérias, não maldizentes, temperantes, e fiéis em tudo.
I Tm 3:12
Os diáconos sejam maridos de uma só mulher, e governem bem a seus filhos e suas próprias casas.
I Tm 3:13
Porque os que servirem bem como diáconos, adquirirão para si um lugar honroso e muita confiança na fé que há em Cristo Jesus.
I Tm 3:14
Escrevo-te estas coisas, embora esperando ir ver-te em breve,
I Tm 3:15
para que, no caso de eu tardar, saibas como se deve proceder na casa de Deus, a qual é a igreja do Deus vivo, coluna e esteio da verdade.
I Tm 3:16

E, sem dúvida alguma, grande é o mistério da piedade: Aquele que se manifestou em carne, foi justificado em espírito, visto dos anjos, pregado entre os gentios, crido no mundo, e recebido acima na glória.

Que possamos pensar nestas coisas e contribuir para a Igreja una, santa, universal e apostólica de Jesus Cristo em o nome da Santíssima e indivisível trindade.
Amém!

 Dom Elias Batista Nogueira – Arcebispo 
Servo dos servos de Cristo! Em unidade e amor pronto a ajudar a todos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário